O Deus oculto


14428661606_e5b3b99988_o

O anseio humano pela presença real de Deus pode surgir praticamente em qualquer lugar. Mas não ousamos fazer grandes alegações sobre a promessa da presença íntima de Deus, a menos que levemos em conta aqueles períodos em que Deus parece ausente. Os grandes santos passaram por isso, Jó passou por isso e todo mundo em algum momento deve enfrentar o fato da natureza oculta de Deus.

Alguns argumentariam que Deus não se oculta. Uma frase de para-choque diz: “Se você se sente distante de Deus, adivinha quem mudou?”. Mas a culpa implícita nesse slogan pode ser falsa: o Livro de Jó detalha uma época na qual, ao que parece, quem se mudou foi Deus. Embora Jó nada houvesse feito de errado e implorasse desesperado por socorro, Deus ainda assim optou por ficar oculto. (Se você um dia duvidar de que um encontro com a natureza oculta de Deus faz parte da peregrinação da fé, simplesmente folheie as obras dos místicos cristãos, homens e mulheres que passaram a vida em comunhão pessoal com Deus. Tente achar apenas um, por exemplo, que não descreva um período de dura provação, “a noite escura da alma”.)
Àqueles que sofrem e àqueles que com eles convivem Jó apresenta uma lição importante. Dúvidas e queixas são reações válidas, não sintomas de uma fé fraca — tão válidas, na verdade,  que Deus fez questão de que todas elas fossem incluídas na Bíblia. Ninguém espera encontrar os argumentos dos adversários de Deus — por exemplo, Cartas da Terra, de Mark Twain, ou Por que Não Sou Cristão, de Bertrand Russell — anexados à Bíblia, mas quase todos esses argumentos marcam presença, quando não em Jó, em Salmos ou nos Profetas. A Bíblia parece antecipar nossas decepções, como se Deus nos desse de antemão as armas para  a defesa, como se Deus entendesse o custo de manter a fé.

E, graças a Jesus, talvez Deus nos entenda. No Getsêmani e no Calvário, de alguma forma inefável, o próprio Deus foi forçado a enfrentar a natureza oculta de Deus. “Deus brigando com Deus” – é assim que Martinho Lutero resume a
luta cósmica que se desenrolou sobre uma cruz de madeira. Naquela noite escura, Deus aprendeu o sentido pleno do que significa sentir-se abandonado por Deus.

Phillip Yancey em Decepcionado com Deusconforme citado no livro devocional Sinais da Graça.



Compartilhe
Tags
Pedro Wanderley
Publicado por Pedro Wanderley

O Médico que acredita em curas mais profundas do que a Ciência pode trazer. O cético vacilante em busca da fonte que nunca secará.


Commentários (Um comentário)

  • Vicente Farias
    5 de junho de 2016 at 13:59

    Uma reflexão que apresenta um aparente caráter paradoxal, todavia, do meu ponto de vista a coerência se sustenta quando olhamos para a constituição multifacetada do Ser divino.