Da Impossibilidade de uma Cultura Secular


12195096366_26dcd32bf1_h

Nesse mundo de Deus, diga-se de passagem, supostamente pós-moderno, pós-Deus, pós-cristão, pós-industrial, pós-tudo, a coisa que não é pós é a religião, mesmo que a elite intelectual negue o fato evocando Nietzsche, Freud ou Dawkins e suprima tal afirmação em nome da neutralidade ou objetividade da ciência e de uma vida não religiosa. Obviamente, preciso esclarecer o que é religião para sustentar a ideia. Primeiro é preciso dizer que há mais do que crença religiosa envolvida na religião. Há ritos, práticas, éticas e assim por diante. Entretanto, seus significados são fornecidos pela crença religiosa e apesar da grande complexidade do tema, no que diz respeito à crença religiosa, Platão, Aristóteles, Calvino, Mircea Eliade, Hans Kung, C. S. Lewis, Paul Tilich, Herman Dooyeweerd, Roy Clouser entre outros me dão cobertura, pois a eles volto para uma definição. No cerne de toda religião há a crença em algo ou alguém que seja divino, perceba que não estou falando o que é esse algo ou alguém (o Deus Cristão, a matéria, leis eternas de caráter lógico ou matemático), mas sim o seu status. Em toda religião o divino é o alguém ou algo que tenha realidade incondicional, ou seja, é auto-existente, a realidade não-dependente enquanto todo o resto depende dela[1]. Para usar um exemplo de Roy Clouser[2]: é como discutir sobre quem deve ser o presidente e qual o papel do presidente. Há muitas opiniões sobre quem deve ser o próximo presidente do Brasil, mas há aceitação universal de que seu papel é governar e não roubar, por exemplo. Assim, o que deve ocupar a posição de divino é a questão amplamente divergente, mas o significado do que seja divino, seu status, é o ponto universalmente aceito. O teste fatal vem agora. Tente achar alguma visão de mundo que não dependa e não assuma tal realidade que seja a origem não-dependente da qual toda resto dependa. Ateístas e materialistas também não podem escapar de tal fato. Talvez se irritem porque, caso você tenha me entendido até agora, nesse momento estou chamando-os de religiosos, não só eles, mas a humanidade. Dito isso, podemos avançar para uma olhar mais prático em termos de cultura.

A atividade cultural do ser humano é sempre orientada e direcionada pela crença religiosa nesse “divino”, seja lá o que ou qual for. Uma comunidade humana tem sua fé ancorada nessa realidade, seja de forma consciente ou não, mesmo que negue que tal confiança é religiosa, dizendo que é científica ou racional. Assim, fazendo a matemática, veremos que o resultado é a impossibilidade de uma cultura secular. Obviamente, me refiro a secular enquanto a negação das bases religiosas da cultura. Imagino que Durkheim se lesse esse texto, provavelmente arrancaria os cabelos ou me chamaria de tolo e me indicaria uma ou duas de suas obras. A essa altura a relação entre cultura e religião já se põem no horizonte. Não é a toa que a cultura, em suas origens etimológicas, designa cultivo que por sua vez está tão próximo de culto quanto os dedos estão das mãos e os templos das ruas. Logo, nesse sentido não há tal coisa como artista religioso ou artista secular como se um tivesse crença religiosa e o outro não. Como dito acima todos as temos. Afunilando mais ainda para aplicações práticas em termos de categorias músicas, se usarmos a crença do artista para categorizar as prateleiras de vendas de um grande shopping da sua cidade só poderíamos ter música gospel, umbanda, materialista ou quem sabe pagã, panteísta ou cristã. Obviamente, isso não faz sentido. As categorias deveriam seguir critérios artísticos e estéticos. Assim, a pergunta obvia é o porquê a prateleira gospel está lá então. Vou dar três razões: um conceito de religião estragado, com se a religião fosse um dos compartimentos da vida, que alguns têm e outros não, ao invés de perceber que a religião é a orientação total de uma vida. Segundo, a dicotomia fato/valor, sagrado/secular fruto da ideia estragada de religião, pois essa divisão é tão mitológica quanto Zeus. Por fim, os interesses de todos os lados numa fatia “religiosa” do mercado. Enfim, como disse Henry Van Til: “o conflito na cultura não é entre fé e cultura, religião e razão. Mas, desde que toda cultura é fundamentada na crença religiosa, o conflito é entre fés divergentes”[3].

Ruan Bessa

via Nossa Brasilidade

[1] CLOUSER, Roy. The Myth of Religious Neutrality: An Essay on the Hidden Role of Religious Belief in Theories. Notre Dame, Notre Dame University Press, 1991.

[2] Roy Clouser é doutor em filosofia pela Universidade da Pensilvânia.

[3] VAN TIL, Henry. The Calvinistic Concept of Culture. Grand Rapids, Michigan, 1972.



Compartilhe
Tags
Publicado por Maelyson Rolim

Um míope no Caminho.